Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ser Feliz

Ser Feliz

28
Jan19

O meu balanço do último ano

Carla Lopes Gomes

Balanço do ano.jpg

 

2018 foi um ano muito importante na minha vida. Foi um ano de grandes alegrias, mas também de duros desafios. Engana-se quem pensa que 2018 trouxe só alegrias. Foi nos momentos mais tristes que precisei usar as minhas maiores armas na batalha vida - amar e sorrir. O entendimento de que as dificuldades são um fio condutor para a superação e aprendizagem, a certeza de que qualquer dor se pode transformar em sabedoria e novos avanços, fizeram de 2018 um ano completo. Um ano onde os pratos da balança se equilibraram. Onde os momentos difíceis pesaram tanto como os bons. Mas os bons superaram e continuam a superar qualquer que seja o desafio. Em 2018 criei o meu blogue, publiquei o meu primeiro livro, fiz várias apresentações do mesmo e avancei para uma 2a Edição. Em 2018 tive o maior desafio que uma mulher pode ter - ser mãe. Um desafio para a vida, diário, permanente... o melhor do mundo. Muitos leitores disseram-me "já tens o livro, já és mãe, agora falta plantares uma árvore". Bem, prometo plantar a árvore em 2019. E o meu filho plantará comigo. Mas em 2018 sinto que lancei algumas sementes e o maior fruto que recebi foi o amor e reconhecimento daqueles que me acompanham. Um abraço para todos e o meu sincero agradecimento por todo o carinho.

20
Nov18

A maravilhosa complexidade do ser humano e o controlo natural da vida

Carla Lopes Gomes

Foto Vitec.jpg

 

No passado fim-de-semana tive uma nova experiência - ser entrevistada pela Sónia Bettencourt, jornalista da VITEC. Foi uma entrevista onde a boa disposição esteve presente e se falaram de temas que nos tocam a todos.

Falamos de sorrisos, sonhos, persistência, luta. Falamos sobre a complexidade do ser humano e a necessidade de descobrir e obedecer à sua essência. Falamos sobre esperança, sobre fé e sobre uma sorte que só surge verdadeiramente quando a construimos de forma diária. Falamos do quão diferentes somos de uma simples máquina, que tem um botão e uma programação própria. Falamos de uma multiplicidade de características que nos define e faz de nós pessoas capazes, com erros, com dificuldades, mas com vontades, com persistência e, por isso, tão indispensáveis e tão essenciais numa sociedade onde precisamos cada vez mais sorrir.

Frisei, mais uma vez, que todos nós temos capacidades que são impossíveis de introduzir numa máquina. E é isso que faz a diferença. Torna a gestão mais complexa? Contribui para que a vida seja cada vez mais algo subjetivo? Sim, sem dúvida. Mas o segredo está em encontrarmos a nossa essência e procurarmos o foco que precisamos para percorrer os vários caminhos desta viagem vida.

Existem caminhos desconhecidos. Existem trilhos mais fáceis do que outros. Existem desvios que se impõem e surgem surpreendentemente. Existem atalhos que encurtam as distâncias. Mas... existem sempre lições a retirar, estratégias a adotar, limitações para aceitar, a necessidade de adequar às circunstâncias e, ainda assim, impor algumas rotinas que poderão temperar a vida com um pouco mais de objetividade e atenuar a sensação de que nada é controlado por cada um de nós. E efetivamente, não o é. A vida estará naturalmente controlada no dia em que cada um de nós aceitar que os obstáculos, as dificuldades, os imprevistos, as nossas limitações e as condicionantes do nosso meio envolvente se uniram para fazer de nós amanhã pessoas mais sábias e dotadas de uma capacidade de adaptação muito superior.

A vida encarregar-se-á de mostrar a cada um de nós que tudo está controlado naturalmente se deixarmos o rio vida fluir pelo seu circuito natural. Sem imposições, sem objeções. Com aceitação, com luta, com persistência. Com coragem, com sorrisos, com sonhos. E no outro lado da margem do rio, cada um de nós será um ser mais capaz, fiel à sua essência, que evoluiu e que, por isso, saboreou a vida com a certeza que fez do seu percurso um percurso de felicidade.

 

Foto Vitec2.jpg

Fotos: Tiago Sousa                        Entrevista completa em www.azorestv.com

 

19
Set18

Se um anjo falasse comigo hoje, o que me diria?

Carla Lopes Gomes

Não confundas esperança com negação.

A não aceitação das coisas pode camuflar-se e tu amplias um estado de espírito de esperança fictício.

Esperança é importante, mas não é essencial. A fé, essa sim é fulcral. Porque é à fé que deves buscar forças para atuar, é a fé que te impulsiona a agir. Quando perdes a fé, porque já não sentes forças para caminhar, também precisas analisar até que ponto a esperança que dizes sentir é mesmo esperança.

Lembra-te sempre, adiar as coisas nunca é uma boa escolha. Tenta, sempre que possas, agir no momento certo e para de adiar cada passo. Quando retardas aquilo que receias, o resultado pode ser pior. É preciso encarar a realidade. E deves começar hoje. Não continues a deixar para amanhã, e para depois, e para depois.

Quando a tempestade passar, vem o bom tempo. Mas é preciso fechar janelas, é preciso trancar portas e tentar minimizar os estragos do vento. Isso faz parte do teu percurso. E tu não podes saltar de um trilho para o outro sem que haja um atalho que o permita. Deves ter esperança de que o resultado final é suportável e faz parte da tua lição de vida. Tudo é aprendizagem. Por isso é tão importante teres fé. Só quem sente verdadeiramente a fé pode entender isto que digo.

10
Ago18

Pensamento do dia

Carla Lopes Gomes

bicicleta.jpg

 

Arrepende-te por teres feito algo cujo resultado não foi o que idealizaste, mas luta para não te arrependeres de algo que não fizeste. Na dúvida, tenta sempre. Pelo menos ficará a certeza de que tentaste. Se o resultado não for o melhor, ainda assim, e como sempre, terás a aprendizagem que isso despertou em ti.

Compre o livro e contribua com 2€ para a Make-A-Wish

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D